MI-26, O GUINDASTE VOADOR

A antiga União Soviética (URSS) e sua mania de “grandeza” levou ao desenvolvimento de algumas das mais incríveis e maiores máquinas já criadas pelo homem. Além de aviões com dimensões colossais, como o Antonov AN-225, os soviéticos também criaram o que é até hoje o maior helicóptero já produzido em série, o Mil Mi-26.

Com medidas e capacidades comparáveis a de aviões médios, o Mi-26 faz helicópteros convencionais ou até modelos militares parecem insetos. As medidas do aparelho são às seguintes: 40 metros de comprimento, 8,1 m de altura e o rotor tem um diâmetro de 32 metros. Na balança os números são ainda mais impressionantes: 28.200 kg vazio e 56.000 kg completamente carregado. E ele voa tranquilamente…

Desenvolvido para o uso civil e militar, o Mi-26 voou pela primeira vez em 14 de dezembro de 1977 e seis anos depois entrou em operação. Os primeiros aparelhos foram adquiridos pela força aérea soviética e a divisão de carga da Aeroflot, a maior companhia aérea da Rússia, onde iniciaram seus “pesados” trabalhos.

Guindaste voador

O projeto do Mi-26 foi elaborado pelo engenheiro ucraniano Marat Tishchenko, que foi um dos maiores especialistas em helicópteros da URSS e do mundo. Além do enorme aparelho, Tishchenko também liderou o desenvolvimento de outros famosas aeronaves de asas rotativas soviéticas, como os modelos de carga Mi-6 e Mi-8 e o “caçador” de tanques Mi-28.

O tamanho do Mi-26 é impressionante

Quando entrou em operação militar na URSS, as principais funções do Mi-26 eram carregar mísseis nucleares das fábricas ou arsenais para bases de lançamentos e muitos soldados! O aparelho, que foi chamado pela Otan pelo código “Halo”, pode transportar até 90 homens com equipamento militar completo ou 60 macas com feridos.

Havia ainda mais uma tarefa para o qual o Mi-26 foi criado e que foi também a operação que o consagrou, a de “guindaste voador”. Ganchos na “barriga” do helicóptero permitem o engate de cargas de até 20 toneladas, como tanques de guerra, aviões ou até outros helicópteros. Essa capacidade também é muito aproveitada pela construção civil, onde o helicóptero é utilizado na instalação de peças em grandes edificações ou regiões de difícil acesso.

E se engana quem pensa que esse porte e peso tornam o Mi-26 lento. Muito pelo contrário, o aparelho é um dos helicópteros de carga mais rápidos em operação: pode alcançar 300 km/h, embora voe normalmente a velocidade de cruzeiro de 255 km/h. Com carga máxima, o modelo pode realizar viagens de até 800 km. A força da aeronave vem de duas turbinas, cada uma com 11.400 cavalos de potência, responsáveis por mover as cinco pás do largo rotor.

O Mi-26 também pode transportar até 90 soldados ou 60 macas (Alex Beltyukov)

Multi-uso

O Mi-26 nunca participou de uma guerra, mas já enfrentou desafios perigosos. O enorme helicóptero foi muito utilizado no acidente na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânica, em 1986. Para apoiar a situação, 30 modelos foram equipados com filtros de ar especiais, para não contaminar os tripulantes com a radiação, e cabines de higienização para o pessoal em terra. O modelo também foi utilizado para despejar material selante sobre o reator danificado.

Após a crise, os helicópteros, contaminados pela radiação, foram abandonados em Chernobyl, onde estão até hoje intocados.

O Mi-26 foi muito utilizado no acidente nuclear de Chernobyl (Domínio Público)

Empresas de carga e logística que operam o Mi-26, como a Skytech, da Bélgica, e a UTair Aviation, com sede na Rússia, já foram contratadas para realizarem “resgates” de preciosas cargas em regiões isoladas.

Em 1999, um modelo foi enviado à Sibéria para resgatar a carcaça preservada de um mamute e, em 2002, o Exército dos Estados Unidos solicitou a ajuda do gigante russo para recuperar dois CH-47 Chinook, que por sinal é um dos maiores helicópteros projetado nos EUA.

Mi-26 pelo mundo

Devido ao seu alto desempenho e incrível capacidade de carga, o Mi-26 foi o escolhido para equipar forças armadas de diversos países. Além da Rússia, o aparelho também está em operação no México, Índia, Peru, Venezuela, Congo, entre outros. Em todas essas nações, os enormes helicópteros são utilizados para abastecer regiões de difícil acesso por terra.

Desde 1980, a Mil Moscow Helicopter Plant, principal fabricante de helicópteros da Rússia, produziu 316 unidades do Mi-26 em diversas versões civis e militares. Apesar de ser um projeto veterano, o modelo ainda não um rival a sua altura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *